Chá de Chapéu-de-couro: Emagrece? Benefícios, Como Fazer, Propriedades

3

Chá de Chapéu-de-couro: Emagrece? Benefícios, Como Fazer, Propriedades

Chá de Chapéu-de-couro: erva nativa do Brasil e Bolívia. No Brasil distribui-se nos Estados do Paraná, Piauí, Amapá, Amazonas, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

O chapéu-de-couro é uma planta medicinal muito utilizada no tratamento de ácido úrico devido a sua ação diurética. Possui folhas duras como o couro que podem crescer até os 30 cm de comprimento.

O chá de chapéu-de-couro é muito usado na medicina popular brasileira, apesar de poucos estudos realizados sobre a eficácia do chá. Estudos não detectaram toxicidade na espécie.

Chá de Chapéu-de-couro EmagreceBenefícios, Como Fazer, Propriedades Nutriela

Chá de Chapéu-de-couro Benefícios:

O chapéu-de-couro apresenta inúmeros benefícios, serve para o tratamento de inflamações de garganta e cura de feridas. É também utilizado em doenças como artrite, artrose, reumatismo, problemas de estômago e rins, infecções de pele, colesterol alto, hipertensão e doenças do fígado.

A erva tem ação diurética e depurativa do organismo sendo por isso muito importante para o tratamento de afecções renais e das vias urinárias, do fígado e do estômago.

O chapéu-de-couro tem uso científico comprovado como diurético leve e anti-inflamatório.

Não confundir esta planta com outra espécie de Echinodorus também conhecida por “chapéu-de-couro” e que apresenta propriedades semelhantes: Echinodorus grandiflorus.

Chá de Chapéu-de-couro para os Rins:

O chapéu-de-couro é geralmente utilizado pelas suas propriedades diuréticas e depurativas que, combinadas, ajudam a eliminar pedras nos rins.

É indicada para o tratamento de afecções renais e das vias urinárias, do fígado e do estômago.

Chá de Chapéu-de-couro Emagrece?

O chapéu-de-couro entra na lista das ervas digestivas, que podem auxiliar em relação à prisão de ventre.

A planta também tem propriedade diurética, ou seja, de promover o aumento da eliminação de água do organismo por meio da urina.

Isso também pode auxiliar em relação ao inchaço, já que a retenção de líquido é uma condição que provoca justamente o inchaço e pode ser aliviada com essa maior eliminação de água pela urina.

Portanto, por conta de sua ação diurética, o chapéu-de-couro pode ser utilizado por pessoas que retêm muito líquido e sofrem com os inchaços.

No entanto, o Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) informa que chapéu-de-couro apresenta um efeito diurético leve.

É importante não abusar do uso do chá de chapéu-de-couro para esse fim, para não perder água demais e não correr o risco de ganhar uma desidratação como efeito colateral.

Cheque com seu médico ou nutricionista como você pode usar a planta para a sua retenção de líquidos.

De qualquer maneira, mais importante do que saber se o chá de chapéu-de-couro emagrece ou não é entender que, para diminuir o peso corporal de maneira saudável, não dá para fugir da regra de se alimentar de maneira saudável, controlada, nutritiva e equilibrada.

Chá de Chapéu-de-couro Nome Popular:

Chapéu-de-couro, chá-de-campanha, chá-do-brejo, chá-mireiro, congonha-do-brejo, erva-do-brejo, aguapé, erva-do-pântano, chá-de-pobre.

Chá de Chapéu-de-couro Nome Científico:

Echinodorus macrophyllus (Kunth) Micheli

Receita Chá de Chapéu-de-couro:

Componentes: folhas. 1 colher (chá)

Quantidade: água 150 mL

Como Preparar Chá de Chapéu-de-couro:

Infusão. Usar 1 colher (chá)  de folhas em uma xícara de água.

Chá de Chapéu-de-couro Propriedades Medicinais:

Diurético leve, anti-inflamatório, adstringente, antiarrítmico, antirreumático, imunossupressor, citotóxico, depurativo, tônico.

Chá de Chapéu-de-couro Para que Serve:

O chá de chapéu-de-couro é bom para  combater ácido úrico, afecções das vias urinárias (litíase, nefrite, etc.), afecções do fígado, afecção do estômago, arteriosclerose, artrite, bexiga, bócio, colesterol, convalescença, debilidade orgânica, dermatoses, doenças renais, dores nas juntas, edemas, erupções cutâneas, fígado, furúnculo, gota, hérnia, hidrofobia, hidropsia, impurezas do sangue.

O Chá de chapéu-de-couro serve para infecções das vias respiratórias, inflamações da garganta, litíase, lumbago, moléstias da pele, nefrite, pele (mancha, dermatose), picadas de cobra, pressão alta, prisão de ventre, reumatismo, rins, sarna, sífilis, úlceras, vesícula, vitiligo, edemas (inchaço) por retenção de líquidos e processos inflamatórios.

Chá de Chapéu-de-couro Como Fazer:

Uso Interno. Acima de 12 anos. Infusão ou Decocção. Colocar uma pequena quantidade da folha picada (duas colheres de chá ou cerca de 2 à 4 gramas de folhas) em uma xícara de água e ferver o chá por poucos minutos e tomar 3 a 4 xícaras por dia.

Uso Externo. Compressas Frias. O chapéu-de-couro também pode ser aplicado em compressas frias topicamente na pele, sobre hérnias, dermatoses e furúnculos. Para isso, basta esmagar um rizoma e aplicar diretamente sobre a pele. A infusão também pode ser usada topicamente.

Chá de Chapéu-de-couro Efeitos Colaterais e Contraindicações:

Não deve ser utilizado por pessoas portadores de insuficiência renal e cardíaca.

Não utilizar doses acima da recomendada, pois pode causa diarreia. Pode interagir com medicamentos anti-hipertensivos, causando queda da pressão.

Além disso, também não deve ser usado em mulheres grávidas ou que estejam amamentando.

Veja também: 

Fontes Consultadas:

  1. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 1ª ed. 2011.
  2. Revista Brasileira de Farmacognosia (2013.
  3. Revista FITOS (2012): atividade antinociceptiva do óleo essencial de Echinodorus macrophyllus.
  4. IV Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio-econômicos do Pantanal (2004): Utilização Medicinal de  macrophylluspor Raizeiros no Alto Pantanal.
  5. Associação Argentina de Fitomedicina (2009): Monografia de Echinodorus grandiflorus.
  6. Wikipédia: Chapéu-de-couro.
  7. The Plant List: Echinodorus macrophyllus.
  8. ALONSO J. Tratado de Fitofármacos y Neutracéuticos, Ed. Corpus, 1°ed, Argentina, 2004.
  9. ÁVILA, L. C. Índice terapêutico fitoterápico – ITF. 2 ed. Petrópolis, RJ, 2013.
  10. COIMBRA, R. Notas de Fitoterapia. 2ªed.Rio de Janeiro, RJ: L.C.S.A,1958. p. 149.
  11. TANUS-RANGEL, E.; et al. Topical and systemic anti-inflammatory effects of Echinodorus macrophyllus (Kunth) Micheli (Alismataceae). Journal of Medicinal Food, 2010. p. 1161-6.
  12. TESKE, M.; TRENTINI, A. M.M. Herbarium compêndio de fitoterapia. 3 ed. Curitiba, 1997.
Share.

©Desenvolvido por  Loja Online Consultoria | 2014.