Chá de Cravo-de-defunto: Benefícios, Para que Serve e Como Fazer

2

Chá de Cravo-de-defunto: Benefícios, Para que Serve e Como Fazer

Chá de Cravo-de-defunto: a planta é originária do México e Guatemala e provavelmente naturalizada na América Central e América do Sul.

O chá medicinal de cravo-de-defunto é consumido por populações nativas desde os tempos pré-contato dos indígenas com a civilização europeia. É amplamente cultivada em todo o mundo como ornamental. Tem valor comercial devido à sua propriedade corante.

Chá de Cravo-de-defunto Benefícios, Para que Serve e Como Fazer Nutriela

Chá de Cravo-de-defunto Benefícios:

O cravo-de-defunto é muito utilizado na fitoterapia, como calmante, dores reumática, resfriados, tosse e até como laxante, graças aos princípios ativos da planta como ocimeno, carotenoides, linalol, destra-limoneno, fenol, carvona, eugenol, anetol e quercetagina.

O chá das flores e folhas é usado contra angina e cólicas uterinas. É sudorífico, antiespasmódico, béquico, antirreumático.

O cravo-de-defunto é considerado estimulante e o óleo extraído é vermífugo. Suas raízes e sementes possuem efeito laxativo.

Na medicina popular, uma decocção feita por maceração da planta seca em água quente durante 3 a 5 minutos, sendo utilizada como um remédio para o resfriado comum, incluindo inflamações do trato respiratório superior e inferior, e para problemas do sistema digestivo, incluindo dores de estômago, diarreias e distúrbios no fígado. A decocção é consumida quente.

As pétalas de cravo-de-defunto maceradas em ½ litro de azeite de oliva extravirgem tem diversos usos:

Essa combinação de antioxidantes das pétalas com antioxidantes do azeite é excelente cardioprotetor, ajuda a diminuir níveis elevados de colesterol, inibe a oxidação de lipídios no sangue, protege as paredes da artéria contra a oxidação e combate a hipertensão e também é uma boa fonte de luteína e zeaxantina, componentes importantes para a saúde da retina, pois estudos indicam que a degeneração macular está associada à deficiência de luteína e zeaxantina na dieta moderna.

A espécie Tagetes minuta faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS).

Chá de Cravo-de-defunto Nome Popular:

Cravo-de-defunto, cravo-fétido-da-índia, erva-de-tunis, maravilha, rojão.

Chá de Cravo-de-defunto Nome Científico:

Tagetes minuta L.

Receita de Chá de Cravo-de-defunto:

Componentes: folhas, flor. 10 – 20 gramas.

Quantidade: água 1 L

Chá de Cravo-de-defunto Como Preparar:

Infusão. Usar 20g folhas verdes ou 10g de folhas secas em 1 litro de água.

Chá de Cravo-de-defunto Propriedades Medicinais:

Antifúngico, anti-helmíntico, anti-séptico, calmante, laxativo, inseticida, repelente, sudorífico.

Chá de Cravo-de-defunto Para que Serve:

O chá de cravo-de-defunto é bom para combater indigestão, cólica, prisão de ventre grave, disenteria, tosse, febre, feridas, úlceras, eczema, dor nos olhos, reumatismo, resfriado, dor nos órgãos sexuais, icterícia, angina.

Chá de Cravo-de-defunto Como Fazer:

Uso Interno. Acima de 12 anos. Infusão. Usar 20 g folhas verdes ou 10 g de folhas secas em 1 litro de água. Adultos: tomar de 4 a 5 xícaras por dia.

Uso Externo. Infusão. Banho. Usar 3 colheres (sopa) de folhas e partes floridas secas ou frescas em 1 litro de água fervente. Fazer banho de imersão durante 10 a 15 minutos. Indicado para reumatismo, gota, nevralgias, dores lombares e inflamações articulares.

Uso externo. Compressa. Faça uma compressa com as folhas e flores secas e colocá-las sob o vapor de água quente e, em seguida, colocar sobre a área afetada por dores e inflamações.

Xarope de Cravo-de-defunto:

Para fazer o xarope utilize uma colher (sopa) de folhas e flores da planta em água fervente, depois de desligar o fogo, coe e coloque ainda quente duas xícaras de açúcar ou mel.

Como xarope você deve tomar uma colher (sopa) três vezes ao dia para combater catarro, gripe e tosse.

Chá de Cravo-de-defunto Efeitos Colaterais e Contraindicação:

Não foram relatados efeitos colaterais decorrentes do uso nas bibliografias consultadas.

Veja também:

Fontes Consultadas:

  1. VIEIRA, L. S. Fitoterapia da Amazônia – Manual das Plantas Medicinais. Editora Agronômica Ceres, São Paulo (SP). 1992.
  2. Plant Resources of Tropical Africa (PROTA4U): Tagetes erecta.
  3. The Plant List: Tagetes erecta.
  4. Wikipédia: Tagetes patula.
Share.

©Desenvolvido por  Loja Online Consultoria | 2014.