Chá de Guaco: Combate Bronquite, Asma e Tosse e tem Ação Expectorante

6

Chá de Guaco: Combate Bronquite, Asma e Tosse e tem Ação Expectorante

Chá de Guaco: erva é originária do Sul do Brasil, a planta era muito usada pelos índios para tratar picadas de cobra, mas ficou famosa mesmo pelos efeitos contra problemas respiratórios, cada vez mais confirmados pela ciência.

Chá de Guaco Combate Bronquite, Asma e Tosse e tem Ação Expectorante

Chá de Guaco Combate Bronquite, Asma e Tosse e tem Ação Expectorante

Chá de Guaco Benefícios:

Indicada para aliviar sintomas de bronquite, asma e tosse, as folhas de guaco têm ação paliativa nos casos agudos de doenças respiratórias. Elas diminuem o processo inflamatório e têm ação antimicrobiana.

Além disso, os compostos da planta, entre eles, a cumarina, relaxam a musculatura do aparelho respiratório e dilatam os canais por onde passa o ar.

O guaco compreende várias espécies semelhantes que são usadas praticamente para os mesmos fins medicinais.

Chá de Guaco Combate o Inchaço:

O guaco é uma erva que também é dotada de propriedades sudoríficas. Isso significa que o seu chá pode estimular, provocar ou induzir a transpiração. Isso colabora com a eliminação do excesso de líquido do corpo, que também fica retido, trazendo o indesejável inchaço.

As espécies de guaco (Mikania glomerata e Mikania laevigata) têm uso científico comprovado como expectorante nas preparações infusão, tintura e xarope.

As espécies Mikania glomerata, Mikania cordifolia, Mikania laevigata e Mikania guaco fazem parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS).

Chá de Guaco Nome Popular:

Guaco, erva-de-cobra, erva-das-serpentes, cipó-catinga, erva-de-cobra, coração-de-jesus e uaco.

Chá de Guaco Nome Científico:

Mikania glomerata Sprengel.

Receita Chá de Guaco:

Componentes: folhas secas. 3 colheres (sopa)

Quantidade: água 1L

Chá de Guaco Como Preparar:

Infusão. Usar 6 colheres (sopa) de folhas verdes ou 3 colheres (sopa) de folhas secas para 1 litro de água fervente.

Chá de Guaco Propriedades Medicinais:

Broncodilatador, antisséptico, expectorante, antiasmático, febrífugo, sudorífico, anti-reumático, cicatrizante, diurético, emoliente.

Chá de Guaco Para que Serve:

O chá de guaco é bom para ser usado nas afecções do aparelho respiratório: bronquite crônica, asma e tosses; nas dores de origem reumática, febre, dermatites, ferimentos, afecções da orofaringe.

Os constituintes do guaco relaxam a musculatura lisa das vias aéreas e estimulam a secreção do muco, facilitando a expulsão do catarro pela tosse, portanto promove uma ação broncodilatadora, expectorante e antiasmática.

Nos estados febris, promove aumento da sudorese e aumenta a diurese.

Possui ação febrífuga e diurética. Forma uma película ou uma espécie de filme protetor quando aplicado sobre a pele. Exerce efeito emoliente, depurativo e cicatrizante.

É usada também como cicatrizante de úlceras, feridas e para tratar varizes, além de funcionar como emoliente em eczemas e coceiras.

Chá de Guaco Como Fazer:

Uso Interno. Infusão. Usar 6 colheres (sopa) de folhas verdes ou 3 colheres (sopa) de folhas secas para 1 litro de água fervente. Adultos devem tomar 1 xícara; crianças até 5 anos 1/3 de xícara e as que tenham entre 5 e 12 anos, meia xícara 3 a 4 vezes ao dia.

Uso Interno. Infusão. Para acalmar o peito. Despeje 1 xícara (chá) de água fervente sobre 1 colher (sopa) de folhas picadas. Abafe por 10 minutos e coe. Tome duas vezes por dia.

Uso Externo. Tintura. A tintura pode ser feita deixando-se em infusão 100 gramas das folhas trituradas de guaco em 300ml de álcool a 70°GL para ser usada externamente, depois de filtrada, aplicar em fricções ou compressas nas partes afetadas por traumatismos, nevralgias, prurido (coceira) e dores reumáticas.

Uso Interno. Xarope. O xarope deve ser preparado em banho-maria, usando-se as folhas secas ou frescas picadas, que são colocadas em calda preparada com 1 copo de água (200 ml) e 4 copos de açúcar mascavo ou 2 copos de açúcar cristal. Após a fervura da calda, acrescentam-se 2 colheres (sopa) de folhas secas ou 4 colheres (sopa) de folhas verdes picadas.

Deixe aquecer por 3 a 5 minutos cuidando para que a temperatura não ultrapasse os 80º C, pois não pode ferver, esfriar, coar e colocar em frasco de vidro esterilizado (fervido) e bem tampado. Guarde na geladeira pelo prazo máximo de 15 dias.

Para adultos recomenda-se 1 colher (sopa) 3 a 4 vezes ao dia. Para crianças menores de 5 anos usar 1/3 da dose do adulto. Para menores entre 5 a 12 anos usa-se a metade da dose do adulto, também 3 a 4 vezes ao dia.

Chá de Guaco Efeitos Colaterais e Contraindicação:

Os efeitos colaterais do guaco incluem hemorragias, aumento dos batimentos cardíacos, vômitos e diarreia quando é administrado em doses elevadas.

O guaco contém cumarina que pode apresentar um agravamento nos quadros de falta de ar e tosse em pessoas com alergia a cumarina.

Não deve ser utilizado por mulheres com menstruação abundante porque aumenta o fluxo.

Não é indicado para grávidas, crianças menores de um ano, pessoas com distúrbios de coagulação ou doenças crônicas do fígado.

Não utilizar em caso de tratamento com anti-inflamatórios não esteroides.

Veja também:

Fontes Consultadas:

  1. NOLLA, D.; SEVERO, B. M. A.; MIGOTT, A. M. B. Plantas Medicinais. Editora Universitária UPF, Passo Fundo. 2005.
  2. ESALQ/USP (1999): Manejo e Produção de Plantas Medicinais e Aromáticas.
  3. ESALQ/USP (1999): Cultivo de Horta Medicinal.
  4. Revista Brasileira de Plantas Medicinais (2012): Farmacobotânica, fitoquímica e farmacologia do guaco.
  5. ALBINO, R. Pharmacopéia dos Estados Unidos do Brasil. 1ª edição. 1926.
  6. CORRÊA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. IBDF. 1984.
  7. OLIVEIRA, F.; AKISUE, G.; AKISUE, M. K. Farmacognosia. 1ª edição. 1996.
  8. COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ª edição. 1994.
  9. TESKE, M.; TRENTINI, A. M. Herbarium Compêndio de Fitoterapia. Herbarium. Curitiba. 1994.
  10. The Plant List: Mikania laevigata.
  11. Wikipédia: Mikania laevigata.
  12. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Informações Sistematizadas da Relação Nacional de Plantas medicinais de interesse ao SUS. 2018.
  13. COSTA Eronita. Nutrição & Fitoterapia. 2º. Brasil: Vozes Ltda, 2011. 168-169.
  14. CZELUSNIAK, K.E et al. Farmacobotânica, fitoquímica e farmacologia do Guaco: revisão considerando Mikania glomerata Sprengel e Mikania laevigata Schulyz Bip. ex Baker. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 14. 2; 400-409, 2012.
Share.

©Desenvolvido por  Loja Online Consultoria | 2014.